:::: MENU ::::

Blog

  • jan 09 / 2017
Taglit Hillel Rio Inverno 2017

Dia 05 – Shabat, Havdalá & Jerusalém

Começamos o dia de shabat com a visita de parentes e amigos ao hotel. Já começamos o dia com grandes risadas e reencontros. Os outros aproveitaram esse tempo para descansar um pouco mais.

Após o almoço, tivemos um pequeno passeio pelas ruelas da cidade velha, aprendendo um pouco mais sobre a história de jerusalém e do nosso povo. O que chamou muita atenção do nosso grupo foi vivenciar o cotidiano israelense em um dia típico de shabat, com poucas pessoas e quase nenhum carro nas ruas e as lojas todas fechadas.

O fim do shabat foi marcado por uma cerimônia muito animada de havdalá no lobby do hotel. Daí, partimos para o espectáculo das luzes. Um show incrível nas famosas Torres de David.

Como ninguém é de pedra, paramos para comer e fazer algumas comprinhas no shopping do Mamila. O frio estava intenso, mas fiquem tranquilos que estávamos muito bem agasalhados.

De lá, fomos a principal atração do dia, as escavações subterrâneas do Kotel. Foi emocionante e surpreendente, nos depararmos com a grandeza e por trás desse lugar tão importante, hoje, para religião judaica.

Até amanhã,

Renan Balassiano

 

  • jan 06 / 2017
Taglit Hillel Rio Inverno 2017

Dia 04 – Kotel, Machane Yehuda & Shabat

Primeiramente, shabat shalom!
Hoje foi um dia diferente dos anteriores, foi mais espiritual e emocionante. Começamos o dia com uma palestra do Avraham Infeld, um dos fundadores do Taglit Birthright. A palestra foi super interessante! Ele tinha uma ótima fala, e com histórias incríveis.

Depois da palestra, fomos todos devidamente encasacados para o ônibus, rumo à cidade velha. Descemos e fomos andando para o Kotel.

Alerta de Spoiler – Escolha uma opção antes de continuar a leitura:
  • Se você quer participar dos próximos grupos do Taglit Hillel Rio - Clique aqui e inscreva-se
  • Se você já participou do Taglit Hillel Rio - Clique e leia este trecho

Antes de vermos o muro, todos vendamos os olhos e fomos enfileirados até certo ponto, onde paramos e ouvimos um texto lido pela madrichá Babi. Era uma carta de um soldado relatando a chegada dele e dos demais soldados ao fim da guerra de 67. Só de ouvir a carta, já começamos a sentir a energia do local. Abrimos juntos os olhos e vimos o tão esperado Muro das Lamentações.

Ficamos alguns minutos contemplando e então descemos para vermos de perto. Chegando lá, cada um sentou com seu papel pra escrever sua mensagem à D’s.

Essa é minha terceira visita a Israel, e deve ter sido a quinta ou sexta vez que fui ao muro, mas foi a primeira que me senti realmente emocionada e me conectei com hashem. Perdi meu avô há poucos meses atrás, mas senti que de alguma forma ele estava lá hoje comigo e que D’s está cuidando bem do meu querido velhinho. Nossa visita foi um pouco rápida, pois ainda voltaríamos mais tarde.

Voltamos com passos rápidos pro ônibus e chegamos na Machane Yehuda. Por conta da chegada do shabat, estava muito cheio, quase não dava pra andar. Aproveitamos o momento pra comprar lembrancinhas pra família e para os amigos. Quando deu o horário que marcamos no ponto de encontro, fizemos a contagem pra conferir que todos estávamos presentes, como sempre fazemos. Finalmente conseguimos fazer uma contagem rápida, com todos presentes e sem muita demora. Segundo a Nicole, foi o milagre do shabat que fez nossa contagem ser boa. Será?
Voltamos pro hotel pra nos prepararmos pro shabat. Colocamos roupas brancas e mais arrumadas, nos reunimos no lobby do hotel para acender as velas do shabat e voltamos para o Kotel. No caminho do hotel pra cidade velha, a cada rua que passávamos, a quantidade de carros na rua ia diminuindo.

No Kotel, pegamos cadeiras e nos sentamos para apreciar o momento. No lado das mulheres, dançamos e cantamos; ficamos ao lado dos meninos do grupo, separados por uma divisão de ferro, acompanhando as rezas com eles.
Na volta, os carros não podiam mais rodar nas ruas, então fomos pro hotel a pé. A caminhada que de início parecia cansativa, passou bem rápido.

Chegando no hotel, fomos direto pro jantar, sendo recepcionados com um Kidush, uma comida especialmente boa, somada a muita cantoria dos grupos que estavam no salão. O clima estava ótimo, bem leve e animado. Não costumo fazer as rezas de shabat no Rio, apenas em momentos especiais. Acho que esse foi meu shabat mais alegre e emocionante. Agora estamos em horário de banho e mais tarde o grupo se reunirá pra fazer uma festinha com clima Brasileiro pra matar saudades de casa.

Até amanhã,
Beijos,

Marcella Paskin

 

 

  • jan 05 / 2017
Taglit Hillel Rio Inverno 2017

Dia 03 – Kibutz, Har Bental & Tzfat

Acordamos hoje no kibutz Shar Hagolan. Não tenho noção de quantos há na região, mas já garanto que o nosso foi um dos melhores. Os quartos pareciam como de hotéis. Aliás, muito melhor que muitos hotéis. A comida, como sempre, diferente, mas não no mal sentido. É bom provar os mais variados estilos da culinária israelense. Salada no café da manhã, realmente é, no mínimo, interessante.
Infelizmente, sem muito tempo de aproveitar, tivemos que deixar o Kibutz logo cedo após o café. Entretanto, seguimos para um dos lugares mais lindos com o qual tive o prazer e o privilégio de estar, Har Bental. Este ponto turístico a mais de 1000 metros acima do nível do mar nos traz a visão história e geográfica das fronteiras que ali perfazem Israel e seus países vizinhos. Após todas as fotos tiradas da paisagem, nos colocamos nos lugares dos soldados israelenses, que ali lutaram pelo seus limites nacionais, através dos túneis que utilizavam como abrigos anti-bombas.
Passado o período de contemplação, fomos de ônibus até um ponto de encontro com motoristas de Jeeps, dos quais através realizamos trilhas no meio de lavouras até chegar a um determinado ponto do Rio Jordão.
Já com fome, fomos até a parte antiga da cidade de Tzfat. Em uma praça pequena e cinematográfica, pudemos nos deliciar com a culinária israelense, americana e italiana. Uma variedade pequena, mas existente com louvor. Nos dirigimos depois a uma outra praça onde tivemos explicações extraordinárias da história da cidade. Após cantar e aprender, nos aventuramos pelas ruelas e sinagogas locais. Tudo simplesmente lindo. Impecável e pitoresco até.
Com toda essa diversão, precisávamos descansar. Foi aí que aproveitamos as horas de ônibus até Jerusalém para relaxar até chegarmos a uma das cidades mais importantes do mundo. Chegando lá, fomos direto para o hotel. Digno de 4 estrelas, diga-se de passagem. Tudo limpo e arrumado, com conforto e estilo. Mas juro que ainda não supera os quartos dos Kibutz. Simples e confortáveis.
Quando chegamos ao Hotel, fomos deixar nossas bagagens nos quartos e seguimos ao jantar. Mais uma variedade deliciosa de pratos Kasher, com sobremesas sem adição de leite e água fresca para beber. Seguido disto, fomos relaxar e nos preparar para atividade pós jantar. Sempre uma chance de nos conhecermos melhor e nos unirmos ainda mais como grupo. Indispensável dizer que foi maravilhosa. Uma oportunidade de conhecermos melhor os soldados israelenses que se juntaram a nós há pouco tempo, já no percurso da viagem. Laila Tov!

Matheus Bardavid

  • jan 04 / 2017
Taglit Hillel Rio Inverno 2017

Dia 02 – Holon, Merkaz Klita Beit Alfa & Kibutz

Hoje começamos o dia pelo Instituto de Tecnologia de Holon. O tempo estava meio fechado, com um pouco de chuva e bem frio, mas como o ambiente era fechado deu para aproveitar muito a visita. Conhecemos várias áreas de ensino e aprendemos um pouco sobre o funcionamento da faculdade em Israel.
Depois disso seguimos para o Museu das Crianças onde tivemos atividades sobre surdos e mudos e conseguimos compreender um pouco a realidade dos mesmos.

Em seguida fomos ao shopping de Holon comer e então seguir viagem para o Merkaz Klita Beit Alfa. Lá tivemos a apresentação da organizadora da instituição, que abriga imigrantes vindos da Etiópia e pudemos entender a situação na qual eles se encontram e o que eles fazem para se manterem hoje em dia. Além disso, tivemos a oportunidade de brincar e interagir com as crianças e tentar nos comunicar com elas, através de risos, expressões e gestos.

No final do dia chegamos no Kibutz onde jantamos e depois realizamos uma brincadeira com todo o grupo, dando às boas vindas aos soldados israelenses que vão nos acompanhar durante a viagem trocando experiências.

Sofia Szerman

  • jan 03 / 2017
Taglit Hillel Rio Inverno 2017

Dia 01 – Tel Aviv

Dia 01 – Tel Aviv (3/01/2017)

Após 11 horas de vôo do Rio de Janeiro para Roma, 7 longas horas de espera no aeroporto de Roma e mais 4 horas de vôo de Roma para Tel Aviv, finalmente a viagem “começou”. Iniciamos o dia com o café da manhã às 8:30h no hotel e nosso primeiro destino foi Jaffa ou Jafa ou Yafo, como preferirem. É a parte mais antiga e onde se originou a cidade de Tel Aviv. Foi o principal porto de Israel há 100 anos atrás. Lá, passeamos pelas charmosas ruínas antigas e de cima pudemos apreciar uma privilegiada vista para a parte moderna de Tel Aviv. Seguimos então para o museu da independência, onde pudemos conhecer melhor a história de Israel e como foi declarada sua independência, em 1948. Visitamos o salão onde ocorreu a cerimônia da declaração da independência do Estado de Israel, o que fez nos sentirmos ainda mais próximos da sua história. De lá fomos almoçar no mercado Shuk Ha’Carmel, onde pode-se apreciar um delicioso shawarma e falafel e de quebra ainda conhecemos um pouquinho do mercado árabe.

Em seguida, mais paisagem bonita para a conta! Visitamos a Cesarea, cidade que já foi capital portuária de Israel no período Romano, e por lá passeamos por suas ruínas e apreciamos a vista para o mar.

Para fechar o dia com chave de ouro, fomos para o museu de Ytzahk Rabin, que foi um importante líder político Israelense que lutou pela paz, inclusive foi ganhador do prêmio Nobel da Paz e foi injustamente assassinado. Este museu além de ser muito bonito por fora, com uma arquitetura de chamar atenção, tem muito conteúdo por dentro, enriquecendo ainda mais a história da formação do Estado de Israel. E o melhor de tudo, foi pensar que só foi o primeiro dia e que ainda tem muito mais pela frente!

Daniela Kampel

 

 

  • dez 22 / 2016
Aconteceu

Sambaba

Voluntários do Hillel Rio realizam festa de fim no Lar da Velhice de Jacarepaguá

No último domingo, 18/12, os voluntários do projeto Sababa proporcionaram uma tarde diferente para os idosos do Lar da Velhice de Jacarepaguá, uma festa com muito samba no pé, Sambába. Os voluntários convidaram as famílias dos idosos para confraternizarem e a tarde foi muito emocionante para todos! O grupo de samba, composto por voluntários do projeto e familiares animou e fez muitos idosos dançarem entre eles, com os funcionários do lar e com filhos, netos, bisnetos e jovens do Hillel Rio. Um momento marcante da festa foi quando a voluntária, Amanda Goldemberg conheceu o primo do seu avô, residente do Lar e nunca haviam se conhecido. Foi uma comoção geral, eles conversaram, choraram, e o idoso mostrou as fotos e recordações dos familiares para a voluntária.

“Faz mais ou menos 3 meses que conheci o Sababa… A cada domingo levamos uma atividade nova, uma brincadeira diferente ou até mesmo música para levantar todos e deixá-los felizes. No último encontro, fizemos uma festa de final de ano com muito samba que, carinhosamente, chamamos de Sambába. No meio da festa, recebi uma ligação do meu avô dizendo para que eu procurasse um primo dele, que mora no lar. Perguntei para uma das funcionárias, sempre muito gentis, quem era esse tal primo, pois até então não o conhecia e, logo que me mostrou, fui até ele. Ele estava sentado em uma cadeira ao fundo do salão, quieto, talvez até um pouco tímido. Nunca havia o visto antes nos encontros de domingo. Sentei ao lado dele e me apresentei. Falei o nome do meu avô, da minha avó, dos meus pais e, sem que eu esperasse, ele me abraçou e começou a chorar. Chorava enquanto lembrava de todos, contava histórias do passado, perguntava sobre minha vida, meus estudos, e… sentia saudade. Nessa hora quase chorei junto. Dali até o final do evento ele não queria se desgrudar de mim. Me apresentava para seus amigos do lar como “minha priminha”, super emocionado. Me levou até seu quarto para mostrar algumas fotos da família e tirou outras fotos comigo também, pediu meu telefone, email, até que, infelizmente, o horário da festa acabou e tive que sair. Prometi que voltaria com mais frequência para visitá-lo e levaria toda família junto. Ele sorria tanto. Desde então não consigo parar de pensar nele, como se sente, se fica muito sozinho, se está feliz… Os idosos que moram no lar são muito carinhosos, receptíveis, divertidos e brincalhões, mas por trás disso também sentem saudade das suas famílias e da vida que tinham antes. O nosso objetivo neste projeto mexe exatamente neste ponto. Queremos trazer de volta a história de cada um, saber de suas famílias, suas vivências, experiências. Levamos pra eles muito amor e carinho, como se fizessem parte da nossa família. Saio de lá sempre mais feliz e, especialmente desta vez, mais emocionada do que nunca.” Amanda Goldemberg, Voluntária do Hillel Rio.

  • out 31 / 2016
Aconteceu

Semana de Sucot

Semana de Sucot

Essa última semana comemoramos o Chag de Sucot, as turmas de hebraico fizeram as mitzvot de comer embaixo da Sucá e durante toda a semana a casa ficou aberta para quem quisesse fazer as rezas da tarde. Na quinta-feira (20/10) a noite foi dedicada aos grupos do Tzedek e Onward. A noite começou com temaki na sucá e depois cada grupo teve a sua atividade.Na sexta-feira, dia 21/10 aconteceu o Kabalat Shabat especial na Sucá. Primeiro aconteceu a reza do Shabat, depois o Kidush na Sucá e por fim um delicioso jantar kasher, quando todos os participantes sentaram juntos na Sucá e comeram muito bem.

14681988_10153433672924229_4476900393705300548_o

14715685_10153433674044229_7685403555604905292_o

  • out 31 / 2016
Aconteceu

Palestra Núcleo de Medicina

Precisamos falar sobre Depressão..

Na quarta-feira (26/10), o Núcleo de Medicina convidou o psiquiatra, psicanalista e homeopata Dr. José Izai para falar sobre um tema muito importante e pouco comentado, a Depressão. Dr. José falou dos principais sintomas, causas, tratamento e como deve ser o apoio de familiares e amigos com o paciente deprimido. O público presente foi misturado entre estudantes de medicina, psicólogos e muitos curiosos, que fizeram muitas perguntas sobre o tema. Após a palestra, Dr. José ainda ficou um tempo conversando com os jovens, falando de casos mais específicos e trocando experiências.

 

img_6072

  • out 31 / 2016
Aconteceu

Reforma no Hillel Rio

A arquiteta Gorete Colaço realizou a reforma da casa do Hillel Rio de modo excelente, deixando nossa Instituição com a cara dos jovens cariocas. Agradecemos todo o esforço e trabalho realizado no Hillel Rio.

A cozinha do Hillel Rio está 100% Kasher, processo relizado por Pierre London do TTH Bar-Ilan! Todos os utensílios foram devidamente kasherizados e temos agora um Mashguiach sempre em nossa casa para certificar que tudo que saia da cozinha seja Kasher.

img_6098

img_6102

img_6103

img_6107

 

Quer Participar? Cadastre-se